domingo, 10 de maio de 2009

De cara aberta.


Sorri dentro de mim uma felicidade sem tino, que está lá e me bate sempre que de noite eu acordo e de manhã eu durmo. Uma felicidade do tipo daquelas felicidades que parecem sem razão, mas que possuem toda a razão do mundo de ser. Daquelas sofridas, vividas, torturadas, massacradas; mas felizes.


Sorri em mim e para mim uma felicidade por agora recíproca, cheia de passado e de presente, mas que tenta não se ligar no futuro e ignora que existe um porvir.

Sorri pra mim uma felicidade viva, que as pessoas colocam nomes e estereotipam, mas que eu prefiro não chamar de nada. Eu descobri que eu não gosto disso de querer limitar sentimento.

Sorriem comigo dois corações, que se comunicam por ondas e sinais incompreensíveis por qualquer linguagem humana.

Além disso toca também uma música. Uma não, várias. Que embalam o meu próprio sorriso, ainda que eu não esteja sorrindo.


P.S: Em breve falarei da Calourada do CAC da última sexta-feira e da fantástica presença dos ratos nela.

6 comentários:

  1. um riso sorri pra tu.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. felicidade de todo jeito é bom...
    me dá um tiquinho? *¬*

    não, eu não tô deprimida.
    eu acho.

    feliz pela sua felicidade ^^
    xêro.

    ResponderExcluir
  4. P.S: Em breve falarei da Calourada do CAC da última sexta-feira e da fantástica presença dos ratos nela.

    Medo. ._.''''''''

    ResponderExcluir
  5. um sorriso bem largo sorri pra tu


    :*

    ResponderExcluir
  6. Você escreve muuuito bem, véi *-*
    Concordo que dar nome a um sentimento é limitá-lo.
    Que lindo isso (:

    Ah, eu tava na calourada do dia 8 :x
    :*

    ResponderExcluir